Login

Comprar

Alunos e Pais

Professores

Instituições

Produtos relacionados

Ativar códigos

Nas redes sociais, amigo do meu amigo, meu amigo é?

Quem está familiarizado com a gíria das redes sociais, reconhece termos como seguidor, gosto/like, contactos... Mas a palavra mais bem escolhida é, sem dúvida, amigo. Afinal, quem não quer ter muitos amigos!?

O ideal das redes sociais é que todos sejamos amigos de todos. Essa ilusão de que fazemos parte de uma alargada rede de amigos é um dos segredos do sucesso destas plataformas digitais.

Como é que a internet está a mudar a ideia de amigos? Aquilo a que já estamos mais ou menos habituados é que o espaço virtual serve para conectar pessoas que se conhecem na vida real. Para as gerações mais novas, já não é exatamente assim. De acordo com uma investigação, as crianças fazem e mantêm amigos online, que conhecem sobretudo em plataformas de jogos digitais. E não se chegam a encontrar nunca.

A ideia de fazer amigos que não conhecemos fisicamente não surgiu, contudo, com as redes sociais. Muito antes da implementação da internet, existia por exemplo a iniciativa Penfriend, onde se comunicava através de carta com uma pessoa completamente desconhecida.

O impacto das redes sociais é de escala completamente diferente. Por isso, será natural que nos perguntemos como estão Facebook, Instagram, Snapchat, e demais redes e plataformas de jogos, a alterar as relações que as pessoas estabelecem entre si.

Os pais ficam preocupados com a centralidade de dispositivos como os telemóveis na vida dos seus filhos. Para dar resposta a este problema, começam a aparecer iniciativas de desintoxicação digital para jovens. E alguns relatos dão conta de que os teenagers se surpreendem com o facto de conseguirem interagir com os seus amigos e colegas sem recorrerem ao telemóvel. E como comunicar offline pode, afinal, ser interessante.

Sabe-se que a tendência é para que a vida das pessoas seja cada vez mais digitalizada, nas suas várias dimensões. Não sabemos bem como será ter amigos daqui a uma década ou duas. Quem sabe, passaremos a ter como (melhor) amigo um robot.

Por agora, os pais devem interrogar-se se uma criança até aos 10 anos deve ou não cultivar a amizade através das redes sociais. Alguns pedagogos e pediatras têm vindo a dizer que a intensidade com que se vive a amizade nos primeiros anos de vida deveria focar-se mais na quantidade de nódoas, na roupa e nas pernas, do que no número de amigos no Facebook.

Luís Pereira

Voltar aos artigos
To Top

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.